Libélula

Oxygastra curtisii

(Dale, 1834)

Insecta – Odonata (anexo II e IV)

Distribuição
Norte de África (Marrocos), oeste da Europa, desde Portugal à Holanda, estendendo-se a sul até ao oeste da Itália. Em Espanha é uma espécie localizada, mas relativamente comum. Em Portugal está bem distribuída, sendo a mais comum das três libélulas protegidas, apesar de não existirem registos no vale do Tejo e no Alentejo interior.

Habitat
Ocorre em rios e ribeiros com pouca corrente, situados na orla de florestas.

Biologia
Ocupa áreas de rios e ribeiros com fundos lamacentos. Prefere as seções ensolaradas em zonas com vegetação ribeirinha bem conservadas. Os machos são muito territoriais e patrulham as margens desde manhã cedo, podendo ser abundantes nas horas de maior calor. As fêmeas fazem as posturas em zonas sombrias com abundância de raízes. O acasalamento pode ser feito no rio, mas o par formado voa para longe e pousa habitualmente nos topos das árvores. As larvas encontram-se junto a raizeiros profundos de árvores ripícolas (preferencialmente amieiros). O período de voo começa em abril, no sul, e prolonga-se até agosto.

Estatuto de conservação
Quase Ameaçada (NT) globalmente pela UICN, assim como para a Europa, enquanto que para a região mediterrânica tem um estatuto de Pouco Preocupante (LC). Em Espanha, está avaliada como em Perigo (EN).

Projeto Lista Vermelha de Invertebrados
FCiências.ID – Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências
Campo Grande, edifício C1, 3.º piso, 1749-016 Lisboa, Portugal
Email: lv.invertebrados@gmail.com

Print