Sanguessuga

Hirudo medicinalis

(Linnaeus, 1758)

Clitellata – Hirudinida (anexo V)

Distribuição
Hirudo medicinalis Linnaeus, 1758 tem sido referenciada para o norte e centro da Europa, com registos mais dispersos no sul da Europa. Na última década, a distribuição das sanguessugas medicinais na Europa tem sido re-avaliada atendendo a que duas novas espécies foram re-integradas no género Hirudo, H. verbana Carena, 1820 e H. troctina Johnson, 1816 e uma nova espécie foi descrita em 2005, H. orientais Utevsky & Trontelj, 2005 (referências em Utevski et al. 2010). Estas 4 espécies são consideradas membros do complexo de espécies que engloba a sanguessuga medicinal Europeia H. medicinalis, a Mediterrânica H. verbana, a Causasiana H. orientalise a Africana H. troctina (Kutschera 2012).

Registos anteriores a 1979 referem a presença de H.medicinalisem Espanha: em 3 locais na Galiza e num local na Cantábria para a Região Atlântica e em 15 locais para a Região Mediterrânica (Muñoz & Soriano 2012). Em 2008, Ayres & Iglesias, observaram H. medicinalis como parasita de Rana ibérica em rios da Serra do Suido, Galiza.

Em Portugal, as únicas observações reportadas Hirudoaté ao início deste projecto foram efectuadas em charcos temporários do Sudoeste Alentejano no: (i) concelho de Odemira (Canha & Pinto-Cruz, 2010) e (ii) no sector B de charcos temporários do Parque Natural do Sudoeste e Costa Vicentina (registo de MJ Caramujo, 2012). A confirmação taxonómica destas populações será efectuada durante as campanhas de amostragem da LVI, visto que os exemplares das espécies de Hirudoobservados em 2012 apresentam caracteres morfológicos semelhantes a ambas as espécies Hirudo medicinalis(parte ventral) e Hirudo verbana (parte dorsal).

Habitat
Hirudo medicinalis ocorre em massas de água permanentes que compreeendem lagos, lagoas de montanha, remanços de rio e zonas húmidas com abundante vegetação aquática (Muñoz & Soriano 2012, Urugiu 2018). Idealmente estes locais serão visitados por mamíferos de cujo sangue se alimenta. No entanto, há referências na literatura em como pode sobreviver sugando o sangue de anfíbios e peixes (Muñoz & Soriano 2012, Urugiu 2018).

Biologia
As sanguessugas medicinais podem atingir 108.0 mm de comprimento, 10.0 mm de diâmetro, 4,0 mm de diâmetro de ventosa anterior e 5.5 mm de ventosa posterior. O padrão de pigmentação exterior permite a identificação de H. medicinalisembora alguma variabilidade exista na espécie. As manchas escuras da parte dorsal da sanguessuga são alongadas, o que contrasta com as manchas arredondadas ou quadradas em H. orientalis. As manchas escuras em H. verbanatêm um padrão reticulado e são limitados na zona mais dorsal por duas bandas laranja difusas. As manchas negras alongadas marginais em H. medicinaliscoalescem formando listas escuras distintas e o padrão de pigmentação ventral é reticulado e irregular (Utevsky &Trontelj 2005). 

Hirudo medicinalis parece ter a mais baixa fecundidade (11.10 ± 2.56 larvas por sanguessuga) relativamente às espécies proximas de sanguessugas medicinais H. verbanae H. orientalis (Petrauskienė et al. 2011). Hirudo medicinalis e H. orientalis parecem ser ambas sujeitas a selecção k relativamente a H. verbana que é uma r-estrategista que habita ambientes mais instáveis.

Estatuto de conservação
Hirudo medicinalis está classificada como “Quase Ameaçada” de acordo com os critérios da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). As pressões sobre as populações de sanguessugas resultantes da colheita de espécimens na natureza para fins medicinais, declíneo global de anfíbios, abandono das praticas tradicionais de pastorícia e poluição, perda e transformação de habitats aquáticos, levou a que H. medicinalisfosse incluída no anexo V da Directiva Habitats (Diretiva 92/43/CEE) e anexo III da Convenção de Berna (1979). Tal teve o intuito de regulamentar a recolha de exemplares na natureza e sua exploração comercial. O comércio internacional de H. medicinalise H. verbana é regulado ao abrigo da Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e da Flora Selvagem Ameaçadas de Extinção – CITES. Recentemente (Maio de 2019), a captura de quase 4.700 exemplares de H. verbanano aeroporto de Toronto, Canadá, mostra como a colheita de sanguessugas medicinais continua a ameaçar as populações naturais.

Referências

Ayres, C. & Comesaña Iglesias, J. (2008). Leech presence on Iberian Brown Frog, Rana iberica, (Amphibia: Anura: Ranidae) from north-western Spain. Acta Herpetologica, 3 (2): 155-159.

Canha, P. & Pinto Cruz, C. (2010). Plano de Gestão de Charcos Temporários Mediterrânicos no Concelho de Odemira. Évora. ISBN 978-972-778-111-9

Kutschera, U. (2012). The Hirudo medicinalis species complex. Naturwissenschaften, 99: 433-434.

Muñoz, B. & Soriano, O. (2012). Hirudo medicinalis. In: VV.AA., Bases ecológicas preliminares para la conservación de las especies de interés comunitario en España: Invertebrados. Ministerio de Agricultura, Alimentación y Medio Ambiente. Madrid. 51 pp.

Petrauskienė, L., Utevska O. & Utevsky S. (2011). Reproductive biology and ecological strategies of three species of medicinal leeches (genus Hirudo), Journal of Natural History, 45 (11-12): 737-747.

Surugiu, V. (2018). On the presence of the European Medicinal Leech Hirudo medicinalis Linnaeus, 1758 (Annelida: Hirudinea) in Romania. Travaux du Muséum National d’Histoire Naturelle “Grigore Antipa”Antipa”, 61: . 7-11.

Utevsky, S.Y. & Trontelj, P. (2005). A new species of the medicinal leech (Oligochaeta, Hirudinida, Hirudo) from Transcaucasia and an identification key for the genus Hirudo. Parasitol Res, 98: 61.

Utevsky, S. , Zagmajster, M. , Atemasov, A. , Zinenko, O. , Utevska, O. , Utevsky, A. and Trontelj, P. (2010). Distribution and status of medicinal leeches (genus Hirudo) in the Western Palaearctic: anthropogenic, ecological, or historical effects?. Aquatic Conserv: Mar. Freshw. Ecosyst., 20: 198-210.

Projeto Lista Vermelha de Invertebrados
FCiências.ID – Associação para a Investigação e Desenvolvimento de Ciências
Campo Grande, edifício C1, 3.º piso, 1749-016 Lisboa, Portugal
Email: lv.invertebrados@gmail.com

Print